Monday, December 18, 2006

EURICO GONÇALVES NO FAMAFEST 2000, V








Nasceu em 1932, em Abragão, Penafiel.
Pintor, professor e crítico de arte, membro da A.I.C.A.

Surrealista desde 1 949. Em 1950/51, escreveu e ilustrou narrativas de sonhos, textos automáticos e poemas, compilados em quatro cadernos manuscritos, hoje parcialmente recuperados numa edição de luxo; aí, palavras, desenhos, colagens e guaches fundem-se numa só forma de expressão. Em alguns aspectos, a sua pintura aproximava-se já do Neo-Figurativo. Manifestando-se através do improviso, as suas figuras foram dando lugar a simples sinais gráficos, ágeis caligrafias abstractas, derivadas do Gestualismo, com resultados extremamente depurados. A sua execução gestual rápida, mas serena, confronta-se com formas arquetípicas do Inconsciente Colectivo, tão defendido por Jung, que demonstrou haver uma grande conformidade entre o movimento impulsivo das mãos e o próprio estado de espírito. Por seu turno, André Breton declarou que a finalidade do Surrealismo é a reabilitação de todas as capacidades psíquicas.
Desde 1964, Eurico Gonçalves tem publicado artigos de divulgação de Arte Contemporânea e estudos sobre a Expressão Livre da Criança, o Dadaismo, o "Zen" e a Pintura-Escrita. Em 1966/67, foi bolseiro da Fundução Calouste Gulbenkian, em Paris, onde trabalhou com o pintor francês Jean Degottex. Em 1972, prefaciou uma importante exposição de pintura de Henri Michaux, na Galeria S. Mamede, em Lisboa. Desde 1972, é membro dos Corpos Directivos da S.N.B.A.
Expondo desde 1954, participou em numerosas colectivas, designadamente, na 1 Bienal Internacional de Desenho "LIS'79"; no Festival Internacional de Pintura, em Cagnes-sur-Mer (França), 1980; na XVII Bienal Internacional de São Paulo (Brasil), 1983; em "Um Rosto para Fernando Pessoa", C.A.M./F.Gulbenkian, 1985; em "Le XX.ème au Portugal", Bruxelas, 1986; na III Exposição Gulbenkian, 1986; em "A Teatralidade na Pintura Portuguesa", F. Gulbenkian, 1987; na "Arte Portuguesa Contemporânea", Osnabrück, Alemanha, 1992; na "Primeira Exposição do Surrealismo ou Não", na Galeria S.Mamede, Lisboa, 1994; e em "Desenhos dos Surrealistas em Portugal", no Museu Nacional Soares dos Reis, Porto, 1999.
Em 1971, foi distinguido com uma Menção Honrosa do Prémio da Crítica de Arte Portuguesa, subsidiado pela SoQuil. Em 1998, foi-lhe atribuído o Prémio de Pintura Almada Negreiros, subsidiado pela Fundação Cultural Mapfre Vida.
Está representado no Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, no Museu Amadeo de Souza-Cardoso, em Amarante, nos Museus de Castelo Branco e de Estremoz, na Fundação Cupertino de Miranda - Famalicão, na Culturgest e em muitas Colecções Particulares. Autor dos livros: "A Pintura das Criancas e Nós - Pais, Professores e Educadores" Porto Editora, 1976; "A Arte Descobre a Criança" e "A Criança Descobre a Arte" - 4 volumes - Raiz Editora, 1991-93; "Narrativas de Sonhos e Textos e Automáticos" Edições António Prates / Centro Português de Serigraria, 1995.


EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS:

1954 - óleos e desenhos, Galeria de Março, Lisboa. Prefácio de Mário Cesaríny; citação de Paracelso: "NÃO SÃO OS OLHOS QUE FAZEM VER O HOMEM, MAS SIM O HOMEM QUE FAZ COM QUE OS OLHOS VEJAM".
1958 - óleos e desenhos, Galeria Diário de Notícias, Lisboa. Catálogo com citação de Benjamim Péret: "DE TOUS LES SENTIMENTS, JE NE VOIS DE PLEINEMENT SACRÉ QUE L' AMOUR".
1960 - Retrospective 1950/60, organizada pela Comissão Pró-Associação de Estudantes da Faculdade de Letras de Lisboa. No catálogo, considerações sobre a temática surrealista do pintor.
1962 - "27 Desenhos Neo-Figurativos", Sala da Sereia, Porto. Catálogo com notas sobre neo-figurativismo.
1964 - Desenhos, Galeria 111, Lisboa. Catálogo com uma nota sobre pintura sinalética. Desenhos. Galeria Divulgação, Porto e Lisboa. Prefácio de Fernando Pernes.
1965 - Desenhos, Galeria 111, Lisboa. Catálogo com citação de António Maria Lisboa: "A SETA JÁ CONTÉM O ALVO, MAS SÓ PERCORRE A SETA AQUELE QUE LHE CONHECE O ALVO; ASSIM, É DE OLHOS VENDADOS QUE O GRANDE ATIRADOR ALVEJA".
1968 - Pinturas e descolagens, Galeria Quadrante, Lisboa. Prefácio de Fernando Pernes; citação de Ricardo Reis: "NADA TEU EXAGERA OU EXCLUI, PÕE QUANTO ÉS NO MÍNIMO QUE FAZES". Pinturas e descolagens, Galeria Alvarez, Porto. Caso 55, comunicado por Ana Hatherly.
1999 - Despinturas e descolagens, Galeria Quadrante, Lisboa. No catálogo, uma carta do pintor a explicar o sentido da sua proposta.
1970 - Retrospectiva 1950/70, Galeria S. Mamede, Lisboa. No catálogo, uma carta de Mário Cesariny dirigida ao pintor.
1978 - Retrospectiva 1950/73, Galeria da Junta de Turismo da Costa do Sol, Estoril. No catálogo, o pintor analisa a evolução da sua obra e reafirma-se surrealista. Desdobragens, Galeria Quadrum, Lisboa. Prefácio de E.M. de Melo e Castro. Retrospectiva 1950/78, Museu de Évora. Prefácio de Sílvia Chicó.
1980 - Desescrita/ Desdobragem/ Desenvolvimento, Galeria Tempo, Lisboa. "A intervenção do Acaso na Obra Surrealista de Eurico", texto de Sílvia Chicó.
1981 - Homenagem a José Escada - desenhos desdobrados, S.N.B.A., Lisboa.
1983 - Desenhos, guachos e poemas inéditos dos anos 50, Galeria da Junta de Turismo da Costa do Sol, Estoril. Prefácios de Cruzeiro Seixas e Sílvia Chicó.
1988 - 38 ANOS DE DESENHO E PINTURA, Museu de Setúbal. Prefácio de Fernando António Baptista Pereira.
1989/90 - Galeria de São Bento, Lisboa; Galeria Quadrado Azul, Porto. Texto de Joaquim Matos Chaves.
1992 - Galeria 5, Coimbra. Texto de Joaquim Matos Chaves.
1993 - Clube dos Deputados, Bona, Alemanha.
1994 - Galeria Espiral, Oeiras; Casino de Vilamoura, Algarve. Texto de Sílvia Chicó. Espaço Capela, Cascais. Texto de José-Augusto França.
1995 - Píntura-Colagem 1993-95, "A Pirâmide existe", em homenagem a Cesariny, Galeria de São Bento, Lisboa. Textos do autor e de Hugo Beja. Pintura Escrita, anos 60-90, Galeria da Câmara Municipal da Amadora.
1990 - Pintura-Escrita Zen, Galeria Presença, Porto. Texto do autor.
1997 - 35 ANOS DE PINTURA~ESCRITA (1962-97), Instituto Cultural de Macau.
1998 - Pintura-Escrita, anos 60-90, Galeria Om, Penafiel. Texto do autor.
1999 - COMO A ÁGUA PARA A CORRENTE DO RIO, 1959-90, Galeria S. Mamede, Lisboa. Texto de Ernesto Sampaio.
2000 - Famalicão. Exposição na Fundação Cupertino de Miranda, integrada no FamaFest
2000 - II Festival Internacional de Cinema e Vídeo de Famalicão - Cinema e Literatura.
EURICO GONÇALVES
DA FIGURA AO SIGNO
(50 ANOS DE DESENHO E PINTURA - 1950 / 2000)
Relação das obras expostas durante o Famafest 2000

1 - Os Pássaros, 1950 (Serigrafia) 65x90 cm - Colecção do Artista
2 - Narrativas de Sonhos e Textos Automáticos, 1950-51 - Edição de luxo, 1995
3 - Carnaval, 1958 (Desenho à pena e a tinta da china s/ papel) 30 x 21,2 cm - Colecção do Artista
4 - Motocicleta, 1958 (Desenho à pena e a tinta da china s/ papel) 20,7x30,3 cm -
5 - Figura sentada, 1958 (Desenho à pena e a tinta da china s/ papel) 25,7x32 cm -
6 - Totem, 1958 (Desenho à pena e a tinta da china s/ papel) 33 x 26 cm - Colecção A. Caetano
7 - Invenção do Pássaro, 1959 (Desenho à pena e a tinta da china s/ papel) 30 x 21 - Colecção do Artista
8 - Invenção do Pássaro, 1959 (Desenho a pincel e tinta da china) 26 x 33 cm - Colecção do Artista
9 - Orgasmo Cósmico (Homenagem a W.Reich), 1959 (Desenho à pena) 28,5 x 20 cm - Colecção do Artista
10 - Cabeça, 1959 (Desenho à pena e tinta da china s/papel) 25 x 34 cm - Colecção do Artista
11 - Certos Outros Sinais, 1960 (Tinta azul e tanta negra s/giz de cor) 21 x 30 cm - Colecção A. Caetano
12 - Actor, 1960 (Desenho a pincel e tinta da china s/papel) 22 x 31 cm - Colecção do Artista
13 - Não estou para ninguém / Personagem Exótica, 1960 (Desenho a pincel) 22 x 31 cm - Colecção do Artista
14 - Fumador, 1960 (Desenho a pincel e tinta da china s/papel) 22 x 31cm - Colecção do Artista
15 - Sátira, 1960 (Desenho a pincel e a tinta azul s/papel) 35 x 45 cm - Colecção do Artista
16 - Par Amoroso, 1960 (Desenho à pena e a tinta da china s/papel) 30 x 20 cm - Colecção do Artista
17 - Espaço Potência, 1961 (Desenho à pena s/papel) 22 x 28 cm - Colecção do Artista
18 - O Pescador, 1961 (Desenho com pau de fósforo s/papel) 21,5 x 30,7 cm - Colecção do Artista
19 - Caligrafia, 1963 (Pincel e tinta da china s/papel) 43 x 61 cm - Colecção do Artista
20 - Caligrafia, 1963 (Tubo de tinta da china s/papel) 43 x 61 cm - Colecção do Artista
21 - Ce la s' Apelle l' Aurore, (Homenagem a Luís Buñuel), 14.3.65 (Trapo e tinta da china s/papel) 70 x 103 cm - Colecção do Artista
23 - Põe quanto és no mínimo que fazes, 25.12.66-I (Pintura/Colagem) 56 x 76 cm - Colecção do Artista
24 - Põe quanto és no mínimo que fazes, 15.3.67-A (Acrílico s/papel) 56 x 78 cm - Colecção do Artista
25 - Vazio - Disco branco s/branco, 19.8.68-A (Acrílico e pastel d' óleo) 80 x 80 cm - Colecção do Artista
26 - Sol Negro (Homenagem a Luís Buñuel), 13.4.71 / 16.2.2000 (Pintura colagem sobre papel) - 60 x 80 cm - Colecção do Artista
27 - Estou Vivo e Escrevo Sol (Homenagem a António Ramos Rosa), 24.8.73-B (Acrílico e pastel d' óleo) 70 x 103 cm - Colecção do Artista
28 - Satori, 24.6.79-B (Tinta da china s/papel) 103 x 70 cm - Colecção do Artista
29 - Mandala, 21.4.81-B (Acrílico e pastel d' óleo s/papel) 86 x 61 cm - Colecção do Artista
30 - Dissecação (Homenagem a Luís Buñuel), 26.4.81- D (Decalcomania) 86 x 61 cm - Colecção do Artista
31 - Dádá-Zen, 26.4.81-F (Tinta da china s/ papel) 86 x 61 cm - Colecção do Artista
32 - Signo Negro, 3.5.81-I (Pincel bambú e tinta da china s/papel) 90 x 70 cm - Colecção do Artista
33 - Colagem/Descolagem, 24.5.81-B (Tinta da china, prata, pastel d' óleo) 100 x 70 cm - Colecção do Artista
34 - Desdobragem, 1986 (Acrílico e pastel d' óleo s/tela) 240 x 160 cm - Colecção do Artista
35 - Caligrafia, 7.7.86-A (Tinta da china e pastel d' óleo s/ papel) 104 x 73 cm - Colecção do Artista
36 - Ocultação, 30.8.90-A (Acrílico e pastel d' óleo s/tela) 86 x 61 cm - Colecção do Artista
37 - Caligrafia, 19-11-90-C (Tinta da china, acrílico e prata s/papel) 53 x 72 cm - Colecção do Artista
38 - Caligrafia, 19-11-90-C (Tinta da china, acrílico e prata s/papel) 53 x 72 cm - Colecção do Artista
39 - Homenagem a Luís Buñuel, 26.8.99/16.2.2000 (Pintura colagem sobre tela) - 104 x 73 cm - Colecção do Artista

0 Comments:

Post a Comment

<< Home